Carta de perdão ao bispo Macedo

O Bispo Edir Macedo publicou em seu blog
uma carta de pedido de perdão de 
um membro de sua igreja.
Que o criticava e nem sequer queria ouvir 
falar no bispo.
Leia na Íntegra!

Bispo Macedo!

Meu nome é Mara, e espero ardentemente que esse e-mail chegue até o senhor. Conheci o trabalho da Igreja Universal há mais ou menos 10 anos. Eu participava das correntes, frequentava uma ou duas vezes por semana, tudo dependia do propósito presente. Obtive benções, dava ofertas e também o dízimo, do meu jeito. Mas tudo caiu com muita reserva, muita precaução, apenas como ouvinte. Só não queria compromisso.
Há mais ou menos um ano e meio, resolvi colocar minha vida no altar e me entregar verdadeiramente, 100 % sob a Palavra de Deus.

Oh, Bispo! Tudo começou a acontecer em minha vida, incluindo nisso até o senhor que nem sabe da minha existência. Nem mesmo eu imaginava que há um ano e meio estaria aqui escrevendo ao senhor.
Tudo aconteceu quando resolvi sacrificar na Campanha Monte Sinai. Sacrifiquei, de verdade, o meu tudo. O senhor sabe como é. Fui curada de uma doença nos ossos, que não tem cura. Era uma dor insuportável. Ela simplesmente passeava pelo corpo. A cada minuto, cada segundo estava em um lugar diferente. Eu sentia muitas dores. A doença é chamada de Fibromialgia. Tomei remédios muito fortes, fiz vários tratamentos, fiquei de cama por algum tempo e os médicos diziam que era assim mesmo e que tinha que aprender a conviver com a dor. Convivi com ela por mais ou menos 8 anos de luta. Também tinha um problema de intestino.
Deus me curou e restaurou minha saúde. Engraçado é que quando percebi já estava curada. E assim Deus continuou trabalhando: livrou meu filho da morte, de um acidente onde o carro virou uma sanfona. Só ficou intacto o lugar onde ele estava, ao volante. Nem mesmo a polícia acreditou no que havia acontecido.
Já morando na Flórida (Estados Unidos), frequentando a Igreja em Orlando, sob os cuidados espirituais do pastor, fui liberta e meu marido também. Hoje, temos o Espírito Santo, somos obreiros e a minha família está na presença de Deus. No dia 7 de março, na Igreja em Orlando, em um determinado momento do culto, eu estava orando e o pastor Jean me chamou e disse: “A senhora vai dar um testemunho.” Eu respondi: “Eu?” Ele disse: “Éeeee!” Pensei: “É agora!” Ele então me chamou para ir até a frente do altar, onde estava o “bispo Macedo”. É aí onde entra o senhor!

Sabe, bispo, durante uma parte da minha vida eu tinha verdadeira aversão ao senhor. Não podia sequer ouvir falar o seu nome. Eu me referia ao senhor de corrupto a outras coisas. Me lembro que eu dizia assim: “Não posso nem ouvir a sua voz”, e daí para pior! Há alguns anos, o senhor esteve em Elizabeth, New Jersey, perto de onde morávamos. Minha filha disse: “Vamos, mãe? Vai ser uma tarde de bênçãos. O bispo vai estar conosco!” Eu respondi: “Você ficou louca? Vou sair da minha casa, do meu conforto para encarar uma multidão, para ver o bispo Macedo? Para ver bispo Macedo… kkkkk… até parece! Quem ele pensa que é?”

Detalhe: uma das bênçãos que obtive foi minha filha vir para a Universal, onde ela já esta há muitos anos. Meu problema não era a Igreja, e sim o bispo Macedo. Pelo menos era o que eu achava.
Voltando ao testemunho, fiquei ali parada, segurei a mão do meu marido e subimos no altar. Quando cheguei perto do senhor, aconteceu algo que realmente não esperava. Não conseguia falar. A minha voz não saía. Ouvia o senhor perguntar, mas não conseguia responder. O que respondia, mal se entendia. Sabe por quê? A presença do Espírito Santo era muito forte, avassaladora. A certeza que estava dentro do meu coração era muito forte. A certeza da sua unção, a certeza de que o senhor é um escolhido de Deus. O Espírito Santo estava respondendo às minhas orações, em que sempre pedi que me mostrasse. Só não esperava que fosse naquele momento e muito menos diante do senhor. Eu não conseguia reagir. Fiquei completamente anestesiada. Foi um êxtase completo; foi muito forte. A vontade de pedir perdão era muito grande, mas não sabia se poderia fazê-lo ali naquela hora, por isso, não consegui dar o meu testemunho. Fiquei inconformada, chorei, fui para casa. Passou o dia e não me conformava. Sentei à noite e resolvi escrever para o senhor.
Hoje, lhe peço perdão e que o senhor possa me perdoar das pedras que atirei no senhor, sem mesmo lhe conhecer e sem mesmo nunca ter ouvido a sua voz.

Agradeço a Deus a oportunidade que ele me deu e tem me dado. São poucos que verdadeiramente têm essa oportunidade que tive. Obrigada, ispo Edir Macedo, por ter se colocado como barro nas mãos do oleiro, porque só nós temos ganhado com isso.
Perdão!!!

Obrigada, Espírito Santo, pela oportunidade e por tantas bênçãos. Que Deus o abençoe cada vez mais.
ML
IURD Orlando

Fonte: Blog do Bispo Edir Macedo

  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: